Muito além das roupas

quarta-feira, 4 de maio de 2016


Consultoria de Imagem ou Estilo nada tem a ver com Consultoria de Moda. Sempre digo que não trabalho com moda, apenas a utilizo como ferramenta para valorizar o visual de meus clientes, ou seja, trabalho com aperfeiçoamento de imagem, e as roupas, maquiagem, cabelo e etc. são minhas ferramentas nesse processo.

Para afeiçoar o visual de forma completa é necessário ir além das roupas, afinal de nada adianta estar com um look impecável se o restante estiver deixando a desejar. Atenção aos seguintes pontos é essencial:
  • Cabelos
  • Sorriso
  • Pele
  • Unhas
  • Barba (no caso dos homens)
  • Maquiagem e Depilação (no caso das mulheres)
  • Além de sempre indicar a prática de exercícios regulares, pois além de melhorar a saúde e disposição, também proporcionam melhor postura.
Todos esses fatores devem ser levados em consideração caso deseje valorizar ao máximo sua aparência. Lembre-se: Imagem que transmite segurança e te proporcione alegria, é resultado de um somatório poderoso! ;)

Mulheres nos Negócios

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Nós mulheres temos nos tornado cada vez mais ativas nos negócios. Segundo o National Women's Business Council, a partir de 2012, mulheres lançam a cada dia mais de 1.100 novos negócios nos EUA, gerando 1,4 trilhões de dólares anualmente.

Com essa presença feminina cada vez maior nas empresas, a evolução do dress code profissional feminino também tem evoluído.

Ao longo das décadas empresas com dress code muito formal e rígido quanto a detalhes femininos (estampas, acessórios, esmaltes coloridos...) tem diminuído e se tornado mais liberal, o que permita as profissionais serem mais criativas em seus looks de trabalho.

Investir em elementos que tornem o look mais feminino e interessante, sem perder a imagem profissional, é uma maneira de aliar seu visual à seu conhecimento e destacar-se!

Imagem: The Wall Street Journal

É importante destacar que feminilidade nada tem a ver com sensualidade, o ambiente profissional não pede esse tipo de Imagem, pelo contrário, desvaloriza profissionais que chamam atenção dessa forma.

"Ana, como investir e valorizar minha imagem profissional?"

Segue minhas dicas:

  • Lembre-se que você representa visualmente seu negócio (profissão, cargo e etc.);
  • O que você veste diz muito sobre você, defina o que deseja transmitir através de seu visual e invista em roupas e acessórios que transmitam isso;
  • Marcar um estilo é uma tarefa diária que demanda tempo e dedicação, portanto seja consistente e focada!

Seu visual te deixa confiante?

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Há algumas semanas o The Wall Street Journal publicou um artigo com base em dois estudos realizados, que comprovam a influência que nossa aparência exerce sobre nós mesmos.

Em um dos estudos, homens foram divididos em 2 grupos, em um deles os participantes vestiram-se de maneira casual (moletom e tênis)e no outro os participantes vestiram-se de modo formal (terno e gravata) . Depois eles realizaram diversos exercícios simulando negociações, o resultado foi que o 2º grupo (os em traje formal) obtiveram os melhores resultados, alcançado o triplo de lucro em comparação ao grupo dos vestidos de modo casual.

Os participantes do grupo formal comprovaram que nosso visual tem poder de influenciar nosso comportamento, elevando nossa autoestima e nos fazendo sentir mais poderosos, o que gera confiança em nós mesmos e torna nossas apresentações e argumentações muito mais eficazes.

Simplificando: Nos levamos mais a sério e nos comportamos demonstrando isso!

Imagem: The Wall Street Journal

O co-autor de umas das pesquisas publicadas, Michael L.Slepian - pesquisador e professor na Columbia Business School - indica o seguinte:

"Em uma empresa com dress code descontraído ou informal, quando não se precisa usar roupas formais, é onde usar roupa formal pode causar maior efeito."

Se colocar um nível acima do que o ambiente pede já é o suficiente para se destacar, não deixar as outras pessoas desconfortáveis e usar esse poder da roupa à seu favor!

Como avaliar se a roupa vale o que custa?

segunda-feira, 28 de março de 2016

O que faz uma peça custar mais que outra? Por que podemos encontrar uma calça jeans por exemplo, de R$ 100,00 em uma loja e de R$ 2.000,00 em outra? É apenas pela etiqueta?

Não, não é apenas pela marca em si, há diversos fatores que contribuem para a evolução no preço das peças.


QUALIDADE

Um dos fatores que mais contribuem para agregar valor à uma peça é a qualidade, já que a matéria prima e tempo investido na produção são determinantes para elevar sua durabilidade, efeito visual e por fim seu preço. Para avaliar melhor a "qualidade" de uma roupa ou acessório, gosto de subdividi-la em 4 partes:
  • Material - Tecidos de fibras naturais (ex.: algodão, lã e seda) são mais confortáveis, flexíveis, duráveis e proporcionam melhor respiração à pele, o que as torna mais frescas, porém seu custo de produção é maior ao compararmos com os tecidos sintéticos (ex.: poliéster, acrílico e acetato). O mesmo vale para matérias primas naturais como o couro, ao compararmos com o couro sintético.
  • Acabamento - Quanto maior a dedicação e atenção aos detalhes na produção de uma peça, melhor seu acabamento se torna, e logo a elevação do custo para realização de todo o processo.
  • Caimento - Por usa vez, quanto melhor o acabamento, melhor o caimento da peça no corpo.
  • Conforto - Os elementos acima juntos resultam em uma última e principal característica de peças de qualidade: o conforto. Em resumo, peças com material melhores e que levam mais dedicação de tempo, se tornam naturalmente mais caras.

DESIGN

Há 2 formas de fazer uma roupa ou acessório: criar ou copiar. Quando falamos sobre processos sérios de criação ele é um trabalho de estudo e construção, que pode incluir viagens para inspirações, planejamento com base em público alvo, produção por múltiplos designers, criação de elementos exclusivos, como estampas e muito mais.

Quanto maior o investimento na concepção da peça, a tendência é que ela se torne mais bela e com maior valor.


MARCA/GRIFE

O último fator para determinar quanto uma peça irá custar é o mais subjetivo deles e o que pode elevar a peça à valores inimagináveis (se considerarmos apenas o custo de produção).

Tal fator é a marca, e não pense que para isso a logo tem que estar visível, como por exemplo em formas de monograma. Os clientes que consomem esse tipo de produto não buscam a grife em si, na verdade eles buscam a "mensagem" que a marca representa ou também a "exclusividade" que ela traz.


Ok Ana, entendi, mas como usar essas informações no momento de minhas compras?

Para avaliar se a peça desejada realmente vale o preço da etiqueta: Ela tem qualidade? Qual o material utilizado? É confortável? Possui bom acabamento? Bonito design?

Após essas perguntas para avaliar o produto como matéria, lembre-se que grifes também adicionam valor ao produto e investir nela não é questão de certo ou errado, o importante é certificar-se primeiro se pode fazer esse investimento, depois se valerá a pena para a sua Imagem e para o que deseja! ;)

Homens, mochilas e trabalho...

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016


A moda evolui e se adapta a necessidade de cada sociedade e época. Ao observarmos a evolução da vestimenta ao longo das décadas, vemos nitidamente um visual cada vez mais informal, pense: Onde ficaram os homens sempre de terno e chapéu? E as mulheres de luva e meia-calça?

Sem dúvida essa tendência a informalidade se adapta perfeitamente a rotina de nossa época, cada vez mais veloz e com várias tarefas diárias a serem cumpridas. Nesse caminho da informalidade, um acessório que se tornou favorito de muitos profissionais foi a mochila, afinal é a melhor maneira de sobreviver da manhã à noite passando pelo trabalho, curso, academia e etc. Porém como usar esse acessório tão prático sem ficar parecendo "relaxado"?


Profissionais de áreas formais

Advogados, executivos e demais profissionais que trabalham em ambientes muito formais (que usam terno/costume diariamente) infelizmente devem evitar o uso de mochila. "Mas por que Ana?" Porque ela é uma peça casual, e mesmo em materiais mais elegantes ainda cria um ponto despojado no look, o que não se harmoniza a formalidade do terno e gravata. Imaginem uma mulher de tailleur, scarpin e bolsa de palha (daquelas de praia), o raciocínio é o mesmo.

"Se não posso com mochila, o que uso?" Pastas em modelos modernos e Bolsa tipo carteiro são ideais, pois se adequam à vestimenta formal, além de transmitirem uma Imagem de mais elegância, poder e sucesso.


Demais áreas

Profissionais de áreas menos formais a casuais, estão liberados para investir na mochila. "Como saber se meu ambiente de trabalho não é formal?" Se você não precisa trabalhar de terno completo seu ambiente de trabalho não é muito formal. É muito comum nas empresas atuais o dress code Smart Casual, onde homens normalmente usam calça de tecido e camisa social, tais profissionais e os de ambientes casuais (que podem usar jeans, sapatênis...) podem optar pela mochila sem problemas.

"Minha profissão não é muito formal, mas gostaria de ter uma Imagem mais elegante e poderosa." Então a bolsa carteiro é melhor opção que a mochila. Pasta jamais, apenas se estiver vestindo terno e gravata.


O material

A escolha do material da peça, seja mochila, bolsa carteiro e etc., é essencial para criar o estilo de look que buscamos.

Materiais como nylon e lona são esportivos, criam uma imagem informal. Já peças em couro dão um tom de formalidade no look, mas fique atento ao tipo de couro, rústicos são mais despojados e os lisos mais elegantes.


Lembrem-se: vestir-se bem é um conjunto, alie suas preferências à imagem que deseja transmitir, que não tem erro!

Qualquer coisa estou aqui! ;)

CADASTRE SEU EMAIL

Receba atualizações do Blog, Datas dos próximos Workshops e Todas as Novidades!

ENTRE EM CONTATO!

Tire suas dúvidas

Será um prazer te atender!





Todos direitos reservados à Ana Franco